Qual formato escolher na hora de formatar o pendrive ou disco do computador?

Dá um nó na cabeça quando trata-se de formatação. Muita gente não sabe e nem sequer sabe o que significa. Neste artigo, tentarei falar bem simples, para que serve e quais você tem que escolher.

O que é formatação de disco?

De uma linguagem bem leiga: Imagine um caderno com folhas brancas. Você escreve da esquerda para direita, tem pessoas que escrevem da esquerda para a direita e ainda, de baixo para cima e de cima para baixo. Como pautar esses caderno? isso é uma formatação, diz para o disco como os arquivos vão ser lidos, a linguagem, por acaso, é o sistema operacional e as pautas determinam como vai ser escrito para ser lido. OK?

Formatação de disco é o processo de preparação de um dispositivo de armazenamento de dados como unidade de disco rígido, unidade de estado sólido, disquete ou USB flash drive para uso inicial. Em alguns casos, a operação de formatação também pode criar um ou mais Sistema de arquivos novos. Fonte: Wikipédia.

Agora que você sabe o que é formatação, falarei dos tipos

Tipos de Formatação de disco

FAT (File Allocation Table) ou, em português, “Tabela de Alocação de Arquivos” foi a primeira versão do sistema de arquivos baseado em uma tabela representativa com a capacidade de indicar a localização das extensões armazenadas por um disco. Criado para funcionar como filesystem oficial do MS-DOS no início da década de 1980, este formato foi usado como padrão até o lançamento do Windows 95. É a mais comum, vem em todos os pendrives.

Agora, para saber pra que eles servem, vou falar de Clusters.

Cluster

Os sistemas de arquivos são compostos por grupos contínuos de setores ou unidades de alocação (clusters) – esta tecnologia, também, surgiu junto do lançamento do FAT. Uma unidade de alocação diz respeito ao menor espaço em disco que pode ser usado para o armazenamento de um arquivo. Se uma extensão pequena for armazenada em uma unidade de alocação grande, o processo conhecido como “fragmentação interna” acontece – o espaço livre é desperdiçado (há, então, o que se chama de “slack space”).

Por exemplo: se uma unidade de armazenamento de 8 GB estiver configurada sob o formato FAT32, clusters de 4 KB serão destinados à alocação de arquivos. Significa que uma extensão de 10 KB vai ocupar três clusters de 4 KB – neste caso, 2 KB serão desperdiçados, pois um mesmo arquivo não pode compartilhar o espaço livre de um mesmo cluster.

FAT32

O endereçamento de dados pelo sistema de arquivos FAT32 é feito a partir de clusters menores – no FAT16, quanto maior a capacidade de armazenamento, maior é o tamanho do cluster (veja a relação acima). Por ser capaz de trabalhar com unidades de alocação menores, o FAT32 evita grandes desperdícios de espaço em disco.

ExFAT (ou FAT64)

Também como variação da Tabela de Alocação de Arquivos lançada no início da década de 1980, o exFAT foi desenvolvido para atender a usuários que manipulam arquivos únicos com mais de 4 GB (o NTFS, conforme descrito adiante, é outra alternativa). Conhecida, ainda, como FAT64, a “evolução” do FAT32 foi introduzida em 2006 com o objetivo de otimizar unidades de armazenamento, como pendrives.

NTFS?

A “Nova Tecnologia de Sistema de Arquivos”, ou NTFS, foi lançada com o Windows NT, em 1993. Essa versão do sistema operacional da Microsoft chegou ao mercado com o objetivo de oferecer segurança e comodidade aos usuários do software. A boa desenvoltura e a performance do então novo filesystem fez com que a implementação do formato fosse feita no Windows XP, Vista, Windows 7 e Server 2008.

Uma das principais características do NTFS é o suporte ao recurso de journaling, que fornece permissão ao sistema operacional para manter um log, um registro, de todas as alterações feitas sobre um arquivo. Dessa forma, se um erro de gravação ou problema de conexão acontecer, os dados escritos sobre uma unidade de armazenamento podem ser revertidos, o que resulta na restauração dos arquivos.

Suporte otimizado a metadados, listas de segurança de controle, suporte à replicação de dados, cópias para backups e criptografia são outros dos mecanismos de segurança que integram o NTFS. Este tipo de formatação cria clusters de 4 KB em partições que vão de 2 GB a 16 TB, o que gera uma maior economia de espaço em disco. (Fonte: TecMundo: https://www.tecmundo.com.br/particao/94969-fat32-exfat-ntfs-formato-escolher-hora-formatar-pendrive.htm)

Apple File System (APFS)

O Apple File System (APFS) é o sistema de arquivos padrão de computadores Mac com macOS 10.13 ou posterior e conta com criptografia robusta, compartilhamento de espaço, capturas, dimensionamento rápido de diretórios e melhorias aos fundamentos do sistema de arquivos. Mesmo sendo otimizado para o armazenamento Flash/SSD usado em computadores Mac recentes, ele também pode ser usado em sistemas mais antigos com discos rígidos tradicionais (HDD) e armazenamento externo conectado diretamente ao computador. O macOS 10.13 ou posterior é compatível com APFS para volumes inicializáveis e de dados.

O APFS reserva espaço em disco dentro de um contêiner sob demanda. O espaço livre do disco é compartilhado e pode ser alocado para qualquer volume individual no contêiner conforme necessário. Se desejar, você pode especificar tamanhos de reserva e cota para cada volume. Cada volume usa apenas uma parte do contêiner, de modo que o espaço disponível é igual ao tamanho total do contêiner menos o tamanho de todos os volumes no contêiner. (Fonte: Apple: https://support.apple.com/pt-br/guide/disk-utility/dsku19ed921c/mac)

Mac OS Expandido

Escolha um dos seguintes formatos de sistema de arquivos Mac OS Expandido para compatibilidade com computadores Mac com macOS 10.12 ou anterior.

  1. Mac OS Expandido (Journaling): usa o formato Mac (Journaling HFS Plus) para proteger a integridade do sistema de arquivos hierárquico.
  2. Mac OS Expandido (Journaling, Criptografado): usa o formato Mac, exige uma senha e criptografa a partição.
  3. Mac OS Expandido (Distinção entre maiúsc./min., Journaling): usa o formato Mac e faz distinção entre maiúsculas e minúsculas em nomes de pastas. Por exemplo, pastas chamadas “Trabalho” e “TRABALHO” são duas pastas diferentes.
  4. Mac OS Expandido (Distinção entre maiúsc./min., Journaling, Criptografado): usa o formato Mac, faz distinção entre maiúsculas e minúsculas, exige uma senha e criptografa a partição.(Fonte: Apple: https://support.apple.com/pt-br/guide/disk-utility/dsku19ed921c/mac)

MKFS

Em sistemas operacionais de computador, mkfs é um comando usado para formatar um dispositivo de armazenamento em bloco com um sistema de arquivos específico. O comando é parte dos sistemas operacionais UNIX e tipo UNIX. No UNIX, um dispositivo de armazenamento em bloco deve ser formatado com um sistema de arquivos antes de poder ser montado e acessado por meio da hierarquia de sistema de arquivos do sistema operacional. (Fonte: Wikipedia)

Acima, existe apenas as mais usadas, mas, existem várias formatações para escolher, de acordo com seu sistema operacional.

Para simplificar:

Se você tem um Mac, prefira, no utilitário de disco, formatar em: Fat, FAT32 ou Mac expandido. Para ter um pendrive e conseguir apanhar arquivos em um PC que tenha Windows, formate em FAT32. Se for um HD externo, terá dificuldade, aconselho instalar no seu mac o TUXERA, NTFS FOR MAC OU PARAGON. Esses treis programas são para você não ter problemas para conversar com um windows. Neles vc pode formatar NTFS e ter um HD externo para compartilhar com um PC.

Exemplificando: Pc para Mac (lê mais não grava) / Mac para PC (Não lê e nem Grava) / Linux para Mac (lê mais não grava) / Mac para Linux (lê mais não grava)

Espero ter dado uma luz.

Mac suporte